Conheça o filme que foi gravado em um aplicativo de vídeo chamada

Por conta do distanciamento social, formas inovadoras e criativas de trabalhar foram utilizadas. Nesse ambiente, o diretor e produtor Rob Savage, produziu um filme de terror com uma plataforma inusitada.

O diretor utilizou para as gravações o aplicativo de vídeo chamada Zoom. O longa metragem chamado “Host”, tem 57 minutos de duração e é o primeiro grande filme que foi gravado durante a pandemia. 

Segundo o diretor, a ideia surgiu por conta do tédio do confinamento que resultou em uma inovação na temática cyber horror, com o diferencial do filme ter sido produzido em confinamento e sem a interação física do elenco.

Conheça o filme que foi gravado em um aplicativo de vídeo chamada
Fonte: (Reprodução/Internet)

Dias de gravação, elenco e sinopse

Dessa forma, Rob se comprometeu em entregar uma versão completa e roteirizada do famoso vídeo. O produtor pediu 12 semanas para terminar o projeto.O filme chegou a estrear recentemente na plataforma on-demand Shudder.

As filmagens duraram 5 dias e o próprio elenco preparou os cenários, as maquiagens e tudo para que a produção ocorresse bem. Para deixar o filme mais assustador, o produtor não deu o roteiro completo ao elenco. Assim, a atuação ficou mais real e as relações mais assombrosas. 

ANÚNCIO

Na história, seis amigos iniciam uma videoconferência com uma médium para invocar espíritos. Porém, no meio da atividade a médium perde a conexão e eventos estranhos começam a acontecer. 

Opinião dos críticos e previsões

“A interação entre os atores parece real, como se estivéssemos realmente assistindo a um grupo de amigos enfrentando perigos sobrenaturais”, escreveu o crítico Benjamin Lee, no The Guardian

O estatísticas do longa metragem estão indo tão bem que os produtores pensam em realizar uma estreia nos cinemas dos Estados Unidos. O diretor Sam Raimi já assinou um contrato Rob Savage para produzir seu próximo filme. 

“É bom ver que o primeiro filme de terror a abordar especificamente nossas circunstâncias atuais infernais é tão despretensioso e organizado”, explicou Simons Abrams, do RobertEbert.com.

ANÚNCIO