Ibovespa: coronavírus gera impacto também na economia

Diante da epidemia do coronavírus já em mais de 100 países pelo mundo, os indicadores econômicos, como o Ibovespa, sofrem abalos juntamente com o avanço do que já pode ser considerado uma epidemia.

Dois fatores fizeram o Ibovespa cair de 4,14% na sexta-feira (6), fechando 97.996,77 pontos, e abri na segunda-feira (9) com queda de 9,53% O primeiro fator, é o enfrentamento mundial do coronavírus e outro motivos é a briga sobre o valor do petróleo entre Russia e Arábia Saudita.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o surto do coronavírus foi a “gota’água” para a crise econômica mundial. Segundo ele, o momento é crítico e a doença estourou acelerando a queda da economia mundial.

coronavírus
Fonte: (Reprodução/Internet)

Ibovespa: o que é e como funciona

Ibovespa é o principal índice da bolsa de São Paulo e é dado como o termômetro do mercado de ações do Brasil. Com ele, é possível compreender como anda a economia do país.

Baseado em um sistema de pontos que correspondem a reais, Ibovespa calcula a média das principais ações negociadas. Cada ponto corresponde a um real. Criado em 1968, é um índice que reflete o impacto do pagamento em todos os tipos de proventos de cada empresa emissora das ações.

ANÚNCIO

São 64 ativos, dentre eles da Petrobrás chamado de PETR4 e da Vale, que é o VALE3 que juntos representam 80% das ações negociadas diariamente. A pontuação mostra a expectativa os investidores e o ânimo do mercado, quando o índice fecha em alta é um bom sinal pro mercado, quando não, o contrário.

Porque doenças assim afetam o mercado

Embora o maior número de casos seja na China, o coronavírus se espalhou pelo mundo e diversos países já sentem os impactos. Entre os países estão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Itália.

Grandes epidemias abalam as bolsas de valores e afetam a economia do mundo por deixar os investidores e governos inseguros. O surto do coronavírus já fechou fábricas na China e em países que mesmo não estando em quarentena evitam as atividades nas indústrias esperando confirmação de suspeitas.

Tudo isso reduz a atividade econômica e consequentemente afeta negativamente o mercado. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê crescimento reduzido da economia mundial.

Dentre os efeitos no Brasil, além da bolsa o que se pode ver são a interrupção de vôos para Milão, pela companhia Latam. Também a companhia de eletroeletrônicos, LG, que interrompeu os serviços da fábrica por 10 dias devido a falta de componentes para a produção normal.

O que esperar para o futuro

Com o avanço do coronavírus pelo mundo, a cada dia se torna mais urgente buscar alternativas e saídas para livrar os países desse surto. Para cura da doença ainda não existe um tratamento com medicação definida, no entanto, na China o governo esta testando medicações.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência de saúde internacional. O vírus se espalha mais rápido, mas mata menos do que o H1N1. Contudo, é necessário conter os efeitos da doença tanto na saúde das pessoas como em outros aspectos.

Na economia, para o presidente do Banco do Brasil o efeito é temporário. Rubem Novaes, também entende que o coronavírus gerará ainda reflexos na economia brasileira, mas que avalia que pode impactar no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB).

ANÚNCIO