Doria diz que vacinação contra Covid-19 será obrigatória em SP

ANÚNCIO

João Doria, governador de São Paulo, anunciou recentemente que a vacinação contra Covid-19 no estado será obrigatória caso a Anvisa dê o aval para a CoronaVac. A vacina foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e testada no Brasil via parceria com o Instituto Butantan.

A afirmação de Doria vai em contrapartida à declaração de Jair Bolsonaro, que informou que apenas quem quisesse receber a imunização iria ser vacinado. O governador não informou detalhes sobre seu plano, porém já havia dado indícios sobre sua proposta em coletivas de imprensa anteriores.

ANÚNCIO

Agora, ele confirmou que deve levar sua estratégia adiante quando a vacina estiver aprovada. As únicas exceções, segundo Doria, serão pessoas que apresentarem atestados médicos que a impeçam de receber o composto, e ressaltou que em caso de contrariedade, serão adotadas medidas legais.

Doria diz que vacinação contra Covid-19 será obrigatória em SP
Fonte: (Reprodução/Internet)

Eficácia do CoronaVac ainda não foi informada 

A informação que ainda não foi compartilhada diz respeito à eficácia do composto de imunização, ou se o mesmo será aprovado pela Anvisa. Após estudos preliminares serem concluídos, o governo indicou que as pesquisas devem ser fornecidas à Anvisa nesta segunda-feira (19).

O Instituto Butantan já informou que irá buscar o registro da vacina apenas se ela apresentar uma eficácia de no mínimo 50%, mesmo patamar mínimo anunciado pela Anvisa, e que segue a mesma indicação do FDA, órgão equivalente à Agência brasileira, nos Estados Unidos.

ANÚNCIO

Lei sancionada por Bolsonaro favorece João Doria

A Lei 13.979/2020, sancionada pelo presidente Bolsonaro logo no início da pandemia, favorece o governador de SP no que concerne a obrigatoriedade da vacinação. Segundo o texto, as autoridades podem determinar a realização compulsória de vacinação.

Dória impõe data limite para Ministério da Saúde

Doria disse que o Ministério da Saúde terá que determinar até a próxima quarta-feira (21) se a CoronaVac será incluída na lista de vacinas do Programa Nacional de Imunizações (PNI), bem como a de Oxford, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz, vinculada ao Ministério da Saúde.

No mesmo dia, juntamente com Doria, o secretário da saúde do estado Jean Gorinchteyn e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, irão se reunir com o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, às 10h em Brasília para tirar conclusões sobre o envolvimento das vacinas patrocinadas pelo estado de São Paulo no plano federal.

“A data limite para a definição do Ministério da Saúde sobre a CoronaVac será no dia 21 de outubro. Segunda-feira os resultados da fase três estarão consolidados e São Paulo deseja compartilhar a vacina com outros estados brasileiros”, afirmou o governador durante coletiva.

ANÚNCIO