Empresa de telecom que atuou em eleições é acusada de fraude

ANÚNCIO

Recentemente, o Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG) ficou responsável por acompanhar uma investigação iniciada contra a Transat, empresa mineira de telecomunicações.

A acusação em questão é por suspeita de fraude, onde indícios apontam que equipamentos, conhecimentos tecnológicos e funcionários tenham sido repassados de forma ilegal por diversos setores.

ANÚNCIO

Tais setores são referentes a empresas fundadas por diretores do grupo em conjunto com novos sócios. A Transat distribui serviços de telecom via satélite para locais remotos desprovidos de redes terrestres.

Empresa de telecom que atuou em eleições é acusada de fraude
Fonte: (Reprodução/Internet)

Empresa é suspeita de desviar dinheiro

De acordo com o Grupo de Atuação ao Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP, a entidade é suspeita de fazer parte de uma organização criminosa composta por diversos empresários que se especializaram na transferência de ativos de empresas falidas para burlar a Lei das Licitações. 

As Forças Armadas contrataram a Transat para estabelecer uma rede de comunicações entre as forças de campo do Exército e as bases militares de fronteira. Já o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) recebeu 100 milhões de reais em 2018 para manter as urnas eletrônicas e a transmissão de dados no país.

ANÚNCIO

As manobras ilegais realizadas teriam a intenção, segundo processo, de evitar o bloqueio judicial de bens, o pagamento de débitos em aberto, bem como da substituição do grupo em acordos contratuais com tribunais eleitorais.

Transat e administrador negaram acusações

Pouco após as recentes denúncias, a empresa Transat negou que tenha tido qualquer espécie de envolvimento ou de vínculo societário com Helon, ex-presidente do grupo Probank, uma das empresas citadas na denúncia. A companhia também afirmou que obteve todos os equipamentos de forma lícita no mercado.

Sérgio Mourão Corrêa, ex-administrador responsável pelas falências de várias empresas citadas, negou a cumplicidade na transferência de equipamentos entre empresas, alegando que apenas o juiz possui a senha para acessar os recursos, e que o dinheiro ainda se encontra bloqueado na Justiça.

O Tribunal Superior Eleitoral confirmou que manteve contrato com a Transat nas últimas eleições, e até então o Ministério da Defesa optou por não se pronunciar.

ANÚNCIO