Governo deve apresentar plano de vacinação nacional contra a Covid-19 nesta quarta-feira (16)

ANÚNCIO

Nesta quarta-feira (16), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), devem apresentar o plano nacional de vacinação contra a Covid-19.

O anúncio do plano ocorreu um dia após o Ministério da Saúde ter afirmado ao Supremo Tribunal Federal (STF) que a vacinação contra o novo coronavírus deve acontecer até cinco dias depois da aprovação de uma vacina pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

ANÚNCIO

No mesmo documento enviado à Corte pela pauta da saúde, está especificado que em 16 meses, o governo brasileiro deve ter concluído a imunização. Quatro meses serão reservados à população prioritária, enquanto 12 meses para a “população em geral”.

Governo deve apresentar plano de vacinação nacional contra a Covid-19 nesta quarta-feira (16)
Fonte: (Reprodução/Internet)

Mais detalhes foram entregues por conta de solicitação do STF

O comunicado foi entregue ao STF pela Advocacia-Geral da União (AGU). O ministro Ricardo Lewandowski solicitou ao governo federal mais informações sobre o plano de vacinação na sexta-feira (11). 

No domingo (13), Lewandowski estabeleceu que o ministro Eduardo Pazuello divulgasse as datas de início e término do plano de operacionalização, e ainda detalhar cada fase do processo.

ANÚNCIO

No entanto, o documento enviado pela AGU não especificou datas, pois, segundo o Ministério da Saúde, este dado só será definido após aprovação das vacinas pela Anvisa. 

Informações demonstram os primeiros grupos na fila de vacinação

Uma prévia da imunização nacional, já divulgada pelo governo, demonstrou quais serão os grupos prioritários e qual será a ordem de vacinação de cada um deles. A aplicação inicial deve contemplar quatro fases:

  • Primeira fase: profissionais da saúde, idosos com mais de 75 anos, idosos de 60 anos ou mais que estejam sob cuidados de asilos ou abrigos, por exemplo, e indígenas. Nesta etapa serão aplicadas cerca de 29.909.040 doses;
  • Segunda fase: idosos de 60 a 74 anos que não estejam asilados ou abrigados, ou seja, a população idosa em geral. Este grupo terá a disponibilidade de 44.830.716 doses de vacinas contra a Covid-19;
  • Terceira fase: população com comorbidades, também conhecida como grupo de risco. Para esta etapa, cerca de 26.590.034 doses estarão dispostas;
  • Quarta fase: professores da rede básica a superior, funcionários de segurança pública e funcionários do sistema prisional. Este público receberá 7.012.572 doses.

A AGU reforçou no comunicado que ainda não existem vacinas aprovadas pela Anvisa, e que quatro se encontram na terceira fase de testes no Brasil, são eles os imunizantes da Jansen, AstraZeneca, Pfizer e Sinovac.

Outros países aceleram a imunização contra a Covid-19

A vacinação contra a Covid-19 se desenvolve rapidamente em outros países. Nesta quarta-feira (16), a União Europeia afirmou que 27 países do bloco econômico iniciarão a imunização contra o novo coronavírus na mesma data.

O anúncio cedido pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ressaltou que a Agência Europeia de Medicamentos (AEM) adiantou para o dia 21 de dezembro uma reunião para discutir a aprovação da vacina da Pfizer/BioNTech.

O Reino Unido, por exemplo, já vacina a população com o imunizante da Pfizer. O ministro da Saúde do país afirmou que 137.897 pessoas já foram vacinadas na primeira semana do programa. 

ANÚNCIO