Instagram é investigado na Europa por expor informações de menores de idade

ANÚNCIO

Após a Data Protection Commissioner (DPC) da Irlanda iniciar recentemente duas investigações separadas sobre como o Instagram pode ter tornado público dados de menores de idade, o Facebook pode responder novamente diante as autoridades de proteção de dados pessoais da Europa.

As denúncias feitas sugerem que a plataforma teria compartilhado informações como endereços de e-mail e números de telefones de usuários abaixo dos 18 anos. Caso sejam confirmadas, as acusações podem render multas de bilhões de euros para a companhia.

ANÚNCIO

As informações são do portal The Telegraph, que obteve acesso às duas investigações abertas em resposta a alegações que a rede social sofreu mês passado. O órgão irlandês é a principal autoridade referente a proteção de dados na União Europeia e no Reino Unido

Instagram é investigado na Europa por expor informações de menores de idade
Fonte: (Reprodução/Internet)

Órgão recebeu queixas sobre possíveis ilegalidades 

Por meio de um e-mail enviado à Reuters, Graham Doyle, vice-comissário da DPC, explicou que o órgão responsável recebeu queixas referentes à proteção de dados, e identificou possíveis preocupações relativas ao processamento de informações privadas de crianças no Instagram.

Uma das reclamações teria vindo do cientista de dados David Stier, responsável por analisar mais de 200 mil perfis na rede social em 2019. O pesquisador estimou que ao menos 60 milhões de usuários menores de idade tiveram a possibilidade de alterarem seus perfis para contas comerciais.

ANÚNCIO

Apesar de mudanças nas políticas, dados ainda foram expostos

Há alguns meses, a plataforma alterou as configurações de contas corporativas, dando a opção aos usuários compartilharem ou não os seus contatos. Mas David Stier estima que cerca de 5 milhões de crianças já expuseram detalhes pessoais dessa forma.

“O Instagram tem enormes recursos à sua disposição, mas este incidente mostra que eles têm níveis lamentavelmente baixos de empatia, consciência de segurança e cuidado com seus usuários”, afirmou o pesquisador.

Foco das investigações

A primeira das duas investigações do DPC irá focar no design das configurações de conta do Instagram, verificando se o aplicativo promove a privacidade do usuário, especialmente para crianças. O segundo foco estará na função da conta corporativa, e se esta opção é adequada para exibir as informações de contato da criança.

Um porta-voz do Facebook disse à BBC que a declaração de Stier foi baseada em um mal-entendido, e estava claro que quando as pessoas decidem abrir uma conta empresarial no Instagram, suas informações de contato compartilhadas serão exibidas ao em público.

De acordo com a Lei Europeia de Proteção de Dados, cada investigação pode resultar em uma multa de até 4% da receita anual do Facebook, que pode por sua vez simboliza uma multa máxima e teórica de US$ 5,7 bilhões.

ANÚNCIO