Microsoft patenteia tecnologia que pode imitar vozes de pessoas já falecidas

ANÚNCIO

Recentemente, foi descoberto que a Microsoft pode estar trabalhando em um chatbot que consegue simular uma pessoa real. A patente da empresa, revelada pelo site Protocol, prevê um sistema de análise de conteúdo digital de um usuário. 

Essa suposta tecnologia conseguiria simular uma personalidade completa de qualquer pessoa. A novidade da empresa Microsoft lembra o episódio da primeira temporada de Black Mirror, chamado “Be Right Back”. 

ANÚNCIO

A tecnologia da Microsoft conseguiria coletar imagens, dados de voz, postagens em mídias sociais, mensagens eletrônicas e cartas do usuário. A partir disso, a inteligência artificial poderia agir e reproduzir a personalidade de uma ser falecido ou vivo. 

Microsoft patenteia tecnologia que pode imitar vozes de pessoas já falecidas
Fonte: (Reprodução/Internet)

Chatbot pode recriar grandes personalidades da história 

O objetivo por trás de um chatbot é que o comportamento consiga simular um humano de uma forma natural. A ideia da Microsoft é vencer o Teste de Turing, conseguindo assim dar a impressão que o robô é uma pessoa, não um programa de computador. 

No entanto, o plano da empresa vai além disso. Para humanizar mais a inteligência artificial, a Microsoft pensa em desenvolver um sistema que permitiria o usuário criar um avatar de uma pessoa já morta. 

ANÚNCIO

“Os dados sociais podem ser usados para criar ou modificar um índice especial no tema da personalidade de uma pessoa específica. O índice especial pode ser usado para treinar um chatbot que replicaria a personalidade da pessoa específica”, mostrou o texto da patente. 

Para criar essa tecnologia ainda será necessário muito desenvolvimento, pois a empresa depende de várias aplicações. Com a tecnologia seria possível recriar a imagem de várias personalidades importantes na história, como Albert Einstein.

Problematização da criação de chatbots 

Sabe-se que a ideia de uma criação de chatbots é algo muito interessante, no entanto, há alguns riscos que os humanos podem passar. A ideia de chatbot é benéfica para empresas pois pode substituir alguns cargos de trabalho. 

Entretanto, a criação de um chatbot traz um dilema para as relações humanas. Reencarnar pessoas falecidas pode ser prejudicial ao usuário. Mesmo que o robô reproduza lembranças, o mesmo não será capaz de evoluir com experiências humanas, pois foi programado com lembranças passadas.

Por isso, a Microsoft pretende passar do Teste Turing, uma avaliação criada pelo matemático Alan Turing. Quando o teste foi criado pelo matemático, o mesmo teve o intuito de comparar máquinas com humanos. 

Diferenças entre chatbots naturais e humanos fazem parte do dilema

O ser humano é capaz de sentir experiências na pele como a dor, a depressão, a felicidade e outros. A inteligência artificial é capaz de sentir o mesmo, no entanto, ela é programada somente para reproduzir esse sentimento. 

Portanto, isso o torna incapaz de criar um afeto totalmente verdadeiro por algum humano. O ser humano é capaz de criar relações de forma natural, sem nenhum tipo de programação, já um robô não. 

Entretanto, essa reprodução de sentimentos e lembranças de um ser falecido pode trazer um conforto para pessoas que sofrem com o falecimento de entes queridos, mas carrega em si essas problemáticas.

ANÚNCIO