Nasce bebê que teve embrião congelado por 27 anos

ANÚNCIO

A menina Molly Gibson nasceu no mês de outubro de 2020 de um embrião que esteve congelado nos últimos 27 anos. Em outubro de 1992, o embrião foi congelado para que pudesse ser adotado em fevereiro de 2002.

Tina e Ben Gibson são os pais de Molly, que pode ter batido o recorde de um embrião congelado a mais tempo, e que teve o seu nascimento concluído. A marca histórica anterior é a de sua irmã, Emma.

ANÚNCIO

A família sofreu com a infertilidade durante quase cinco anos. Um dia, os pais estavam ouvindo uma rádio local quando foram informados sobre a adoção de embriões. Então a busca po rum embrião iniciou-se.

Nasce bebê que teve embrião congelado por 27 anos
Fonte: (Reprodução/Internet)

Duas filhas do casal foram adotadas ainda congeladas

De acordo com o NEDC, existem mais de um milhão de embriões congelados nos Estados Unidos atualmente. A instituição auxiliou mais de mil adoções e nascimentos, sendo 200 realizadas a cada ano. 

Tina, professora e seu companheiro Ben, analista de segurança digital, procuraram pelo National Embryo Donation Center (NEDC), uma instituição voluntária cristã que fica localizada em Knoxville, em Tennessee, nos Estados Unidos.

ANÚNCIO

Em meio a tantas alternativas, Tina e Ben optaram por escolher crianças baixas, pois este é o perfil corporal dos dois. Dessa maneira, o leque de opções foi se restringindo, até que a sua filha, que tem agora 29 anos, foi a primeira selecionada.

Organização oferece muitas opções de embriões

A organização é responsável por guardar embriões congelados que pessoas que já tentaram a fertilização in vitro desistiram de utilizar. A partir disso, interessados como a família Gibson puderam adotar algum dos embriões disponíveis.

Os casais que desejam adotar conhecem cerca de 200 a 300 famílias doadoras. Os Gibsons, por exemplo, acharam que tiveram opções mais do que necessárias. Em entrevista à BBC, Tina afirmou que não se importaram com a aparência da criança, ou de onde ela veio.

Por fim, Molly foi escolhida por ser irmã genética de Emma, a filha mais velha dos Gibson. O NEDC afirma que, em tese, a vida útil dos embriões é infinita, então logo casos como o das irmãs podem aparecer e desbancá-las do pódio. 

ANÚNCIO